Wiki Identidades
(Adicionando categorias)
Etiqueta: Edição visual
Linha 20: Linha 20:
 
* Capacitismo
 
* Capacitismo
 
* [[Corporalidade]]
 
* [[Corporalidade]]
  +
* [[Intersexo]]
 
[[Categoria:Preconceitos]]
 
[[Categoria:Preconceitos]]
 
[[Categoria:Relacionado a intersexo]]
 
[[Categoria:Relacionado a intersexo]]

Edição das 11h46min de 31 de janeiro de 2015

Intersexofobia ou intersexfobia é a discriminação contra pessoas intersexo de forma sistemática, institucional e individual. Intersexofobia é referente à uma construção social opressiva que situa poder, riqueza, privilégios e prestígios em pessoas que são diádicas (que não são intersexo). Intersexofobia é também uma forma de capacitismo.

Uma forma institucionalizada de intersexofobia é a mutilação cirúrgica e/ou hormonal desnecessária e não-consensual dos genitais de bebês intersexo, que é uma prática infelizmente muito comum na Medicina. A maioria das vítimas dessas mutilações não consegue mais ter relações sexuais prazerosas na fase adulta, pois sentem dor nos genitais a vida inteira. Profissionais de Medicina medem as dimensões do órgão genital do bebê e, se acharem que é grande o suficiente para penetrar, determinam como sendo um micropênis e então fazem procedimentos cirúrgicos no bebê para transformar em um genital diádico com pênis; se acharem que for pequeno demais para penetrar, determinam como sendo um clítoris e então fazem procedimentos cirúrgicos no bebê para transformar em um genital diádico com vagina.

Outra forma de intersexofobia é a erotização e/ou exotificação de intersexos, como se pessoas intersexo fossem "um animal especial e mítico", ou seja, tratam intersexos como se não fossem da espécie humana, ou que somente seus genitais fossem importantes.

As práticas preconceituosas de chamar pessoas intersexo de "aberrações da natureza", "hermafroditas" e outros termos ofensivos são uma forma de intersexofobia.

"Hermafrodita" é um termo que era usado antigamente, na Biologia e na Medicina, estritamente para espécies *não-humanas* e que significava basicamente: espécies que apresentam dois sistemas reprodutores em um mesmo organismo. Logo, o termo era usado para descrever espécies e não para descrever indivíduos de uma espécie. Na atualidade, o termo "hermafrodita" nem é mais usado na Biologia e na Medicina; os termos corretos são: espécie dióica e espécie monóica. Espécie dióica é aquela em que os organismos têm apenas 1 sistema reprodutor. Espécie monóica é aquela em que os organismos têm 2 sistemas reprodutores, ou seja, só há 1 variação reprodutiva na espécie. Cientistas que ainda usam o termo arcaico "hermafrodita" não são bem-vistes. É a mesma coisa com outros termos biológicos arcaicos como, por exemplo, "carioteca" e "trompas de Falópio". Só que no caso de "hermafrodita", já era duplamente errado, desde o começo, usar esse termo para indivíduos da espécie humana.

Dizer “intersexual” dá a impressão de que se está referindo ao tipo de atração sexual direcionado para pessoas de gênero intergênero. Logo, chamar intersex de “intersexual” causa confusão entre uma característica corpórea e um tipo de atração sexual, que são coisas totalmente distintas.

Então, por favor, apenas chamem de intersexo ou de intersex.

Links externos

Leia também